segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

23 de fevereiro: o dia do homem na Rússia

Olá amigos! Para compensar minha ausência prolongada vamos com mais uma postagem. Ontem escrevi algo sobre a Maslenitsa, o Carnaval russo, e volto aqui hoje para um post especial sobre um dia que muitos brincam a respeito dele no Brasil, por não existir em terras tupiniquins: o dia do homem.

"Feliz dia do defensor da Pátria"
Primeiramente, para esclarecer, oficialmente, o dia 23 de fevereiro é consagrado ao "defensor da Pátria" (День защитника отечества) e, no passado, era muito mais relacionado às atividades militares. Como cada homem era parte das forças armadas, em tempo integral ou não, então, acabou se tomando a ideia de que é um dia para o homem. E as atividades bélicas eram uma constante em tempos idos na Rússia, então, esse dia é bastante celebrado no país. Porque o dia 23 de fevereiro? Porque nessa data se comemora o dia da Красная Армия (Krasnaya Armya - Exército Vermelho). Ela começou a ser comemorada nos tempos soviéticos.

Entretanto, depois de algum tempo, o conceito da data foi mudando e não apenas os militares a comemoravam, mas todos os homens. Eles, que são vistos como os protetores da família, das esposas, mães, irmãs, filhas e outras mulheres ao redor, começaram a tomar a data efetivamente como um dia do homem, tal como ocorre com o dia 8 de março para as mulheres. Hoje em dia é comemorado como o dia do homem de facto

Há algumas mulheres no exército que comemoram esse dia também, afinal, elas também são as defensoras da Pátria, mas o valor simbólico é de um dia dos homens em si, não mais de um dia militar apenas.

Nesse dia, os homens ficam em casa e não fazem nada. As mulheres fazem todas as comidas favoritas deles e se juntam para isso. Mesmo que elas tenham problemas de relações (como sogra e nora ou cunhadas, por exemplo) é a tradição unir forças para fazer todo o possível para que o homem se sinta como um czar. Então, se você é homem, parabéns pelo seu dia, mesmo que você não esteja na Rússia. E já pode dizer para alguma mulher que disser que as mulheres são tão especiais que têm até um dia para elas, diga que, ao menos na Rússia, existe um dia do homem também. :)

É isso amigos. Qualquer questão, é só escrever aqui embaixo ok? Até a próxima!



Ler mais »

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Maslenitsa - o Carnaval da Rússia

Olá amigos. Após uma pausa de duas semanas (por conta da volta às aulas), volto para falar sobre uma festa bastante tradicional na Rússia, a Maslenitsa.

Dança típica da época da Maslenitsa
A Maslenitsa (lê-se más-lenitsa, sílaba tônica no "más" e o resto da palavra pronunciado num só fôlego) é o que seria o correspondente do Carnaval no Brasil. É um período que as pessoas podem se esbaldar com excentricidades gastronômicas - popularmente conhecida como "comilança" - das tradicionais panquecas russas chamadas de bliny. As comemorações ocorrem ao longo de uma semana, normalmente em fevereiro, próximo ao fim do inverno. Como acontece com o Carnaval no Brasil, não há uma data fixa para o evento, mas o fim da Maslenitsa sempre acontece em um domingo. O término da Maslenitsa marca também o início do Post, ou a Quaresma (que na igreja ortodoxa dura cinquenta dias, não 40 como para os católicos), que começa na segunda feira (nesse ano será feriado em comemoração ao Dia dos Homens na Rússia). Nesse tempo de Post, os mais devotados não consomem nenhum produto de origem animal, seja carne, ovos, leite ou qualquer coisa assim. Mas, quando perguntei aos meus alunos se também deixavam de usar roupas de couro, de peles de animais etc., eles apenas riram de mim e disseram que não, as restrições são só na mesa mesmo.

A Maslenitsa que foi queimada no rio Tom congelado em 2015
Bom, então se é Carnaval, deve haver desfile de escolas de samba, suor, sacanagem e tudo mais, como vemos no Brasil, certo? Errado! Na Rússia a Maslenitsa se assemelha ao Carnaval europeu. É uma festa itinerante, com as pessoas andando pelo centro da cidade, de barraca em barraca, comendo e bebendo de tudo, mas especialmente os já citados bliny. Aqui em Tomsk minha esposa e eu demos uma volta pelo centro da cidade, onde havia muitas barracas de tudo. Comemos um bliny cada um e um shashlyk, (algo parecido com o nosso churrasco) e andamos bastante. Por todos os lados havia muitas barracas vendendo de tudo, muita gente, como numa feira, crianças correndo para todos lados, alguns animais para fotos e passeios, como um camelo típico da Mongólia, uma rena, pôneis, cavalos etc. Uma coisa que acontece sempre na Maslenitsa é colocar um grande boneco feito de madeira e panos em algum ponto e queima-lo. Esse boneco é chamado Maslenitsa. Em Tomsk eles fizeram isso sobre o rio Tom ainda congelado. Essa ação é como que para "queimar o inverno". Segundo a tradição, se a Maslenitsa queima por completo de uma vez, o inverno já está para temrinar e a primavera e o verão serão quentes e agradáveis. Se não queimar direito, ao contrário, o inverno ainda vai durar mais algum tempo e a primavera não será assim tão quente. E o que houve com a Maslenitsa de Tomsk? Queimou só metade. Então, para a minha felicidade, ainda vamos ter mais uns tempos de frio por aqui. :)

No geral, a festa da Maslenitsa é como em todos os lugares. Um período para diversão de todos. Mesmo que hoje em dia as coisas já sejam diferentes  do passado. Uma colega de trabalho que já tem mais idade disse que nos tempos que os pais dela eram mais jovens, as pessoas iam umas nas casas das outras com roupas estranhas,cantavam, dançavam, comiam, bebiam e depois iam para outra casa para repetir tudo. Naqueles tempos a cidade era menor e as pessoas se conheciam. Hoje, com as pessoas morando em prédios (antes moravam nas casas de madeira) e com a vida corrida das cidades, fica muito difícil ir à casa de alguém para fazer a mesma coisa. Mas algumas pessoas tentam resgatar essas tradições, bem como acontece no Brasil, que alguns tentam trazer de volta os blocos carnavalescos de antigamente.

Por enquanto é só  amigos. Qualquer comentário, só escrever aqui abaixo. Até a próxima!

P.S. Se quiser saber mais sobre a culinária russa, pode ler o blog que minha esposa escreve em português sobre o assunto.



Ler mais »

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Museu Farmácia das Montanhas em Barnaul

Olá, pessoal! Vou falar sobre um outro museu que visitamos na Rua Polzunova em Barnaul. Ele se chama "Farmácia das Montanhas" (музей "Горная аптека") e fica em frente a Filarmônica, no prédio número 42. Não pense que esse museu é somente um lugar chato onde você só vê remédios e informações sobre doenças.

O museu "Farmácia das Montanhas"
A "Farmácia das Montanhas" é um espaço histórico e cultural bastante curioso. A casa onde fica o museu foi o primeiro prédio feito de tijolos em Barnaul. Ou seja, no momento ele é o mais antigo da cidade. Construído no fim do século XVIII, o prédio virou a primeira farmácia na região do Altay e desde aquele tempo sempre serviu para cumprir essa função. Foi ao mesmo tempo uma loja dos remédios, um laboratório, uma escola farmacêutica e a casa do farmacêutico.

Abrindo a porta, você vai ver uma moça vestida com roupas antigas: assim se vestiam as mulheres que trabalhavam nas farmácias nos tempos passados (pode pedir uma foto, vale a pena). A moça vai te mostrar o museu e responder todas as suas perguntas.

Na sala de vendas você vai encontrar aquelas garrafinhas com receitas grandes e coloridas, como nos livros da Alice no País das Maravilhas. Entre outras, algumas que você não imagina encontrar nas farmácias modernas. Por exemplo, ópio ou cocaína, que as pessoas tomavam contra dores. O museu possui também vários livros antigos e os pequenos armários que serviam para guardar remédios antigamente, que eram chamados de "farmacinhas" (аптечка). Se quiser, pode ir para trás do balcão onde ficava o farmacêutico e abrir a caixa registradora do século XIX. Deixamos uma nota de dois reais do Brasil nela como uma lembrança. Quando for, não se esqueça de procurar por ela.

Farmacêutico trabalhando
No segundo andar fica o laboratório com vários objetos misteriosos. Alguns deles podem parecer bastante estranhos, mas a moça do museu vai tirar todas as suas dúvidas. O mesmo "farmacêutico" está sentado a mesa e "trabalhando" com as ervas e misturas. Quem é esse cara da foto? Ninguém sabe, pois vários farmacêuticos famosos (e não famosos também) na Sibéria passaram por lá e pode ser qualquer um deles.

A atmosfera do museu e as pessoas que trabalham lá são bastante amigáveis e hospitaleiras. Em alguns certos dias eles organizam eventos relacionados com as tradições e festas russas, como a Maslenitsa, o Natal, o Ano Novo, a feira do mel e outros. No primeiro andar funciona uma farmácia que vende ervas, chás, cosméticos e xaropes. O Altay é conhecido por suas ervas, por isso vale a pena comprar uma coisa dessas, ainda mais que os preços são mais atraentes que em alguns outros lugares.

Por enquanto é isso, pessoal! Se tiver alguma dúvida, deixe um comentário que eu respondo com muito prazer. Até a próxima!



Ler mais »