quarta-feira, 13 de maio de 2015

O museu da mineração Krasnaya Gorka em Kemerovo

Olá, amigos e amigas! A cidade de Kemerovo possui um museu interessantíssimo chamado "Krasnaya Gorka" (Красная Горка - Morro Vermelho). 

Logo do museu Krasnaya Gorka
Quando comecei a escrever sobre a cidade de Kemerovo, não sabia se a chamava de cidade soviética ou cidade do carvão, já que ambos aspectos são bastante presentes nesse lugar. O museu Krasnaya Gorka conta a história das maiores minas de carvão da Rússia que ficam numa região conhecida por Kuzbass (Кузбасс), próximo a cidade de Kemerovo na parte sul da Sibéria. A entrada para a parte de cima do museu custa 100 rublos para russos e 250 para estrangeiros. Minha esposa e sua amiga compraram meu ingresso e eu fiquei em silêncio o tempo inteiro para ninguém descobrir que não sou russo. E quando dirigiam a mim, só o faziam em russo. Se você não fala essa língua, não terá um tradutor para você. Portanto, é melhor ir com amigos que a conheçam, porque vale a pena não apenas ver, mas entender tudo o que o museu tem em seu acervo.

Entrada do museu com seu maquinário colossal
No jardim de entrada do museu você pode se divertir com os carros gigantes usados para extração de carvão. Tratores, caminhões, dragas etc. Tudo é de verdade! O museu em si tem três salas com diversos objetos encontrados nas casas das pessoas, utensílios de trabalho dos mineiros e muitas informações sobre a cidade de Kemerovo, a Kemerovskaya Oblast e as minas do Kuzbass. Por exemplo, você descobre que haviam muitas possibilidades de nome para a cidade de Kemerovo (mais de 20). Todos relacionados com a indústria de carvão ou nomes soviéticos. Mas os cientistas clamaram por Kemerovo que era como a região era conhecida há muitos anos entre seus habitantes. Também aprendemos que Kemerovo virou a capital por acidente. No começo o governo escolheu Leninsk-Kuznetsky, mas ela não tinha um prédio para a prefeitura, ao passo que Kemerovo tinha.

Exemplo de nakhalovka encontrado no museu
Um outro fato interessante é que na cidade existia (e existe até hoje de facto) o fenômeno das favelas. Inicialmente a ideia era fazer uma cidade compacta e bem planejada com as ruas retas e as casas de 2 andares. Construíram todo o centro desse jeito. Os trabalhadores das minas possuíam casas muito confortáveis de 5 cômodos. Mesmo assim, logo muitas pessoas começaram a construir bairros desorganizados ao redor do centro, como muita gente queria ganhar dinheiro nas minas. A aparência desses bairros é exatamente mesma coisa que as favelas no Brasil, só que os tetos tem uma caída para não acumular neve. Os moradores de Kemerovo os chamaram de nakhalovka (нахаловка) o que significa "um bairro de pessoas folgadas". Muitos deles existem até hoje, nas extremidades da cidade. Por isso, quando entramos em Kemerovo, ela parecia bastante estranha e que não tinha nenhuma estrutura.

Mineiros no trabalho pesado
Para acessar a parte de baixo é necessário desembolsar mais 100 rublos pagos na entrada (250 para estrangeiros) e deve haver 7 pessoas que não precisam estar juntas, podem se juntar ali na hora mesmo. Essa parte de baixo é uma réplica de uma mina de carvão típica. Os utensílios de mineração que vimos na parte de cima estão montados em manequins que "executam" o trabalho. Você vai aprender como os mineiros trabalhavam em várias épocas e assistir a um vídeo histórico. Nós aprendemos que nos anos da Segunda Guerra Mundial todos os homens da cidade que podiam ser soldados, foram recrutados para o fronte. Como o país precisava de muito carvão, as minas não poderiam parar. Por isso as mulheres trabalhavam nas minas do Kuzbass em vez dos homens. Normalmente os homens trabalhavam por 8 horas e as mulheres trabalhavam 12 e tinham que produzir mais carvão. Muitas morreram por causa de acidentes ou porque não aguentavam o trabalho tão duro. A visita é guiada e o guia explica tudo de uma forma bem didática e engraçada, porque ele grita muito e se empolga com as explicações.

Jardim holandês no museu
Além dos russos havia muitos estrangeiros que trabalhavam nas minas, principalmente holandeses e americanos. O fundador da colônia estrangeira do Kuzbass foi um holandês comunista chamado Sebald Ustinus Rutgers. O museu preservou a casa dele e perto tem um pequeno jardim holandês com ícones da cultura holandesa, como um pequeno moinho de vento e tamancos gigantes. Por perto tem um monumento ao mineiro e seu cavalo. Os cavalos eram muito importantes nas minas e na cidade, porque até 1939 não existiam carros nem ônibus em Kemerovo. Depois você desce para um mirante de onde dá para ver o rio Tom e a parte industrial de Kemerovo. Nesse mirante há bancos para sentar e uma estátua de Santa Barbara, protetora dos mineiros.

É isso aí, amigos e amigas! Espero ter feito um bom resumo do que vi, mas claro que é bem melhor ver pessoalmente. Até a próxima!



3 comentários:

  1. Privet, Luciano!

    Promessa feita, promessa cumprida! Aí está o artigo sobre o museu da mineração. Fiquei surpreso(mas muito mesmo) com o fato de haver "favelas" na Russia! Gostei em especial da parte que menciona as mulheres que trabalhavam como mineiras durante a Segunda Guerra. Sexo frágil? Conversa...
    Bom, levando-se em consideração que até por volta dos anos 70 para se produzir uma única tonelada de aço se necessitavam de 100 toneladas de carvão, e que o peso médio de um único T-34 / 85 em 1943 era de 32 toneladas, podemos apenas imaginar o quanto as mulheres russas trabalharam para que o país não entrasse em colapso...
    Mas, surgiram dúvidas, como sempre....
    1 - Porque as mulheres tinham uma jornada mais longa do que os homens? Devido apenas às contingências da guerra ou devido à constituição física(que poderia, talvez, diminuir a produtividade), ou ainda devido a outros fatores?
    2 - Quer dizer que a decisão para a escolha de uma capital de oblast foi tão prosaica a ponto de o fator determinante ser a estrutura física de um prédio? E não se podia construir uma prefeitura em Leninsk-Kuznetsky?

    Bem, por enquanto é isso.

    Grande abraço e obrigado pela paciência....

    Poka!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Здравствуйте Клэбер! Bom, eu não fiquei tão surpreso, porque aqui em Tomsk tem uns lugares que se parecem com essas nakhalovka, então, já sabia sobre isso.
      Não sabia sobre esses dados para a construção do T-34. Bom, então dá para imaginar o trabalho que tinham.

      Quanto às perguntas:

      1 - Bom, pelo que entendi, foi uma combinação dos dois fatores, já que a guerra demanadava muitos esforços da exploração de recursos. E muitas morriam nos trabalhos, o que acabava aumentando o trabalho para as outras. Foi realmente um período bastante difícil. Por isso o dia da vitória é tão comemorado por essas bandas.

      2 - Sim, nesse caso eles não poderiam esperar a construção do prédio. Na época da instauração da URSS, era necessário fazer tudo mais rápido, afinal, existiam os partidários da monarquia, que queriam trazer o imperador de volta. Então, era necessário organizar logo a estrutura política do país. E Kemerovo já era um pouquinho maior, então que a escolha da cidade não foi uma opção tão ruim.

      Obrigado por sempre aparecer por aqui.

      Abraço e пока!!

      Excluir
    2. Não me agradeça, meu irmão!

      É como já disse antes, eu é que tenho de agradecer por poder acessar conteúdo de qualidade.

      Abraço e пока!!

      P.S - Juro que ainda vou conseguir aprender a falar russo!!! :-)

      Excluir

Antes de comentar, é preciso saber que existem algumas regras por aqui:
1 - os comentários sempre são moderados. Se escrever uma vez e parecer que deu erro, não deu não.
2 - se for perguntar algo, verifique se sua pergunta tem a ver com a postagem onde vai comentar. Se não tiver, o comentário será ignorado.
3 - se pensa em pedir alguma ajuda para imigrar para a Rússia (quase todos os dias recebo esse tipo de mensagem), nem perca seu tempo.
4 - seja educado. Afinal de contas, dizer "olá" e "obrigado" não custa nada.
5 - quer dar alguma sugestão para postagem? Inscreva-se no blog primeiro. Assim os dois se ajudam.

Se conseguir observar tudo isso acima (e não é difícil, convenhamos), seu comentário é muito bem-vindo.