quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Veliky Novgorod: uma das cidades mais antigas da Rússia

Olá amigos! Visitei Veliky Novgorod e conto um pouco do que vi por lá.

Uma avenida central, mas tranquila, de Novgorod
Veliky Novgorod (Великий Новгород, "Grande Novgorod" ou "Novgorod, a Grande") é mais conhecida simplesmente como Novgorod (Новгород), que é como eu me referirei a ela daqui por diante. O nome oficial tem Veliky para não se confundir com Nijni Novgorod (Нижний Новгород), que fica no sul do país, e também para indicar que ela foi a primeira "novgorod" (nova cidade), capital da antiga República de Novgorod (Новгородская Республика) na Idade Média. Um outro motivo para o nome é mostrar onde era a primeira capital registrada da Rússia, além de ser um ponto importante do comércio russo nos primórdios do país, quando existia ali uma via que ia de Veliky Novgorod (ou passava por lá) até a Grécia, chamada Iz variag v greki (Из варяг в греки - "dos Vikings aos Gregos"). Se você está falando com algum russo e diz que visitou "Novgorod", eles automaticamente pensarão em Veliky Novgorod, não em Nijni Novgorod.
Ler mais »

domingo, 6 de setembro de 2015

A magnífica São Petersburgo

Senhoras e senhoras, olá! Finalmente consegui visitar São Petersburgo, bem no finalzinho das férias. Aqui falo sobre um pouco do que encontrei por lá, porque são muitas coisas.

Exemplo de uma avenida central de São Petersburgo
Primeiramente, como sempre, um pouco de história: São Petersburgo foi fundada por Pedro I, o Grande em 1703 para ser a capital do Império Russo e com o pretexto de aproximar mais a Rússia da Europa, além de utilizar mais as vias fluviais que servem a  região. A cidade foi construída lá porque a região sempre foi assediada pelos suecos (que inclusive tomaram a região uma vez), o que sempre dava muito trabalho para o governo. Para estabelecer de vez a soberania russa na região, Pedro construiu a "Janela para Europa".

A capital permaneceu lá até 1918, quando o governo comunista retornou à capital para Moscou. Entre 1914 e 1924 ela foi rebatizada para Petrogrado (Петроград). A partir desse ano ela foi renomeada para Leningrado (Ленинград), permanecendo com esse nome até 6 de setembro de 1991 (hoje faz 24 anos portanto), quando voltou ao seu antigo nome. Mas o local já era habitado há muito tempo. Alexander Nevsky, grande herói nacional russo e que virou até santo da igreja ortodoxa, combateu e venceu povos germânicos (principalmente suecos) que tentavam invadir a Rússia por essa região, por volta de 1240. Mas naquele tempo, a cidade importante da região era Novgorod, que também visitei.

Pedro I, idealizador e patrono da cidade
Apesar de não ser mais a capital, São Petersburgo possui um status especial dentro do país, no mesmo nível de Moscou, o de cidade federal. Tem cerca de 5 milhões e meio de habitantes, sendo a segunda maior cidade da Rússia, atrás de Moscou e à frente de Novosibirsk. Devido a sua localização, no noroeste do país e no Golfo da Finlândia, as temperaturas não são tão extremas como na Sibéria, por exemplo. No inverno ela chega a uns -25°C ou -20°C e no verão a, no máximo 31°C ou 32°C, mas só por alguns poucos dias ela fica assim baixa ou alta. Também por conta da localização, durante o inverno, o dia só fica claro mesmo por volta de 10 da manha e já está escuro mais ou menos às 3 da tarde (graças ao novo horário padrão do país) e no verão, a noite não chega a ficar totalmente escura. Entre 11 da noite e 3 da manhã fica uma penumbra (claro, os postes ficam acesos), mas o céu não fica escuro. Os russos chamam esse fenômeno de "Noites Brancas" (белые ночи) e, quanto mais se vai para o norte, mais intenso ele fica. Na região de Murmansk, bem no norte do país, não fica apenas uma penumbra, mas claro mesmo.

O majestoso rio Neva e seu azul incrível
São Petersburgo (Санкт-Петербург) é uma cidade grande e moderna. Tem um metrô muito bom, que liga bem a cidade, além de possuir diversas opções de entretenimento, como bares, restaurantes, casas de espetáculo etc. O centro da cidade parece um museu a céu aberto, com incontáveis edifícios em estilo clássico. Tudo isso acompanhado da bela vista do rio Neva (Нева), que impressiona pela limpeza. Em dias de sol e céu azul, ele parece um oceano, de tão azul que a água fica. Nos pontos que você pode chegar próximo ao rio (e não são poucos), facilmente se vê o fundo e pode até tentar tocá-lo. Diferente do que acontece em algumas grandes cidades brasileiras, é possível encontrar pessoas que pescam ou nadam no rio. Atrás da fortaleza Petropavlovskaya existe até uma "praia" improvisada entre as pedras e a muralha.

Um dos muitos riachos canalizados que cortam a cidade
Muitos a chamam de "Veneza da Rússia". E não é sem razão. A cidade é cortada por muitos canais, de diversos afluentes do rio Neva, que é o principal da cidade. Por conta disso, existem muitas pontes que passam sobre todos esses rios e canais. Algumas dessas pontes inclusive são levadiças e se abrem para a passagem de barcos e tudo mais. Infelizmente não pude ver nenhuma delas aberta, porque normalmente são abertas de madrugada, quando já não há mais muito trânsito. Então, as fotos que você provavelmente já viu das pontes abertas com o céu todo roxo, laranja ou algo assim, é algo característico de junho, julho e até metade de agosto, quando as noites brancas estão acontecendo.

Vista de Isakievsky do outro lado do rio
Uma coisa boa de São Petersburgo é que todas as atrações do centro estão próximas e é fácil se locomover por lá. Próximo aos lugares turísticos e estações do metrô existem mapas dos arredores postados na rua com a indicação Вы здесь (você está aqui). Mesmo não sendo um morador da cidade e com um russo ainda mais ou menos, consegui andar bem por lá. Também o fato da cidade ser plana e com o rio aberto, você consegue ver os prédios altos e que chamam a atenção para aonde ir. Mas isso não significa que você vai andar pouco. Ao contrário. Tudo é muito grande na cidade, e você acaba andando bastante. Mas nem percebe, de tanto que você fica surpreso (e no meu caso, contente) de ver todas aquelas coisas que você provavelmente já viu em catálogos de viagem.

O enorme Museu Hermitage
A cidade conta com muitos museus. Claro, o mais famoso é o Hermitage (Эрмитаж), com suas milhões de peças no acervo. Não consegui visitá-lo porque você leva um dia inteiro, da manhã até o anoitecer andando pelas muitas galerias e, se você não ver tudo rápido, você não consegue chegar ao final dele. Na verdade o museu conta com 5 ou 6 prédios diferentes, todos ligados. Na minha próxima viagem pretendo dedicar um dia inteiro pra andar por lá. Uma outra atração (especialmente no verão) é navegar nos canais e no rio Neva. Existem diversas excursões. Não fui em nenhuma dessa vez, mas irei. Parece que há até uma de helicóptero próximo à fortaleza Petropavlovskaya (Петропавловская). Muitas igrejas bastante imponentes são facilmente encontradas na cidade, como a catedral do Sangue Derramado (Спасс-на-Крови), a Kazansky (Казанский) e a Isakievsky (Исаакиевский). Mais uma vez, não consegui entrar nelas.

É isso por enquanto. Essa primeira visita foi mais para ver o máximo possível da cidade, pois ela é grande. Mas falarei mais sobre ela no futuro. Se quiserem saber algo mais, é só perguntar. Inscreva-se no blog para saber sobre novidades. Até a próxima!
Ler mais »

terça-feira, 1 de setembro de 2015

1 de setembro: a volta às aulas na Rússia

Dia da volta às aulas (fonte)
Olá senhoras e senhores. Hoje é o dia da volta às aulas em toda a Rússia, em todas as esferas de ensino. Vou falar para vocês um pouco sobre isso.

No dia 1 de setembro é comemorado o dia do conhecimento na Rússia. Por isso foi escolhido para ser o dia do começo das aulas. Além desses fatores, é também o primeiro dia do outono. Nesse dia, em todas as esferas de ensino, desde a pré-escola até o pós-doutorado, todos voltam aos bancos das salas de aula.

Entretanto, nesse dia não há aulas propriamente ditas. Várias comemorações e homenagens a professores e alunos têm lugar nas dependências escolares. Os alunos, mesmo as crianças, levam flores para os professores. Os diretores de escola e reitores de universidade falam aos alunos em um discurso de boas vindas. É também o dia de apresentação dos professores aos alunos e vice versa.

Volta às aulas da UEM em 1963 (fonte
Falando especificamente das universidades, que é o ambiente com o qual tenho contato, os calouros recebem a sua caderneta de notas, chamada de zatchotka (зачотка) que os vai acompanhar pelos próximos anos. Não existe nada de trotes de veteranos com os "bichos". Na verdade os veteranos se preocupam em rever os colegas e coisas assim. Nem parecem se importar muito com novatos. Os ingressantes ficam tentando entender tudo o que está acontecendo, já que tudo é muito novo para eles. Além disso, os iniciantes aproveitam para tentar aprender onde ficam as salas de aula. E isso é necessário porque, nos prédios mais antigos das universidades, como o da Universidade Estatal de Moscou (UEM) ou da Universidade Estatal de Tomsk (UET), os prédios têm uma infinidade de corredores e alguns deles não tem uma saída pelo outro lado, então, tem que entrar e sair pelo mesmo lugar, o que faz com que as pessoas se enrolem e se percam facilmente nos prédios. E, no primeiro dia, todos os corredores são iguais.  

No meu primeiro ano trabalhando na Universidade Estatal de Tomsk tive algumas surpresas. Por exemplo, no meu primeiro dia efetivo de trabalho, que foi em 2 de setembro de 2014, os alunos me surpreenderam com uma coisa que eles fazem nas escolas: na hora que entrei na classe, todos se levantaram e ficaram aguardando o meu comando para poder sentar. Alguns professores dispensam esse gesto (eu sou um desses), ao passo que outros exigem essa formalidade, mesmo na universidade.

Por enquanto é isso. Se tiverem alguma pergunta, só deixar um comentário ok? Até a próxima!
Ler mais »